Amor é o que sinto tod’ o ano/

p’la mulher qu’a mim um dia s’entregou,/
e que nesse momento, em tud’ insano,/
o seu destino ao meu p’a sempre ligou.//
Tud’ o que sou, de sério e leviano,/
o dev’ a ess’ instante que já passou,/
mas que, sem qu’o tempo lhe faça dano,/
‘stá sempre viv’ em mim, e não s’ esgotou!//
Maria, esse dia também foi meu,/
porque desd’ então, e sempr’ a teu lado,/
tenho sido teu sem deixar de ser eu…//
Confesso por ti ‘star enamorado,/
e qu’a minha paixão, desde que nasceu,/
não mais perdeu o seu fulgor sagrado!//
ESTREMOZ, 14 de fevereiro de 2016
Carlos Eduardo da Cruz Luna