Faleceu, hoje dia 7 de junho, em Coimbra a artesã estremocense Maria Luísa da Conceição. Tida como uma das maiores referências da barrística estremocense, Maria Luísa tinha 81 anos e faleceu no hospital de Coimbra, cidade onde participava na XIII Feira do artesanato local.

A artesã nasceu em Estremoz em 1934 e desde o seu nascimento tomou contacto direto com o barro, já que o seu pai era neto do fundador da Olaria Alfacinha (18681995), Caetano Augusto da Conceição. Mariano da Conceição, seu pai, além de um exímio oleiro, foi quem fez renascer os bonecos de Estremoz, por intermédio de Sá Lemos, diretor da Escola de Artes e Ofícios de Estremoz, obtendo os conhecimentos para tal de uma velha bonequeira chamada Ana das Peles. Depois da morte do pai (1959), foi a sua tia Sabina Santos quem tomou em mãos a continuidade da tradição bonequeira, e a sua mãe, Liberdade da Conceição, um ano depois, decide também ela começar a modelar. Aos 6 anos, Maria Luísa ajudou pela primeira vez a sua mãe a pintar, quando esta preparava um conjunto de bonecos para irem para a Exposição do Mundo Português, em 1940. Mais tarde, já nos anos 80, após a tia Sabina se reformar, Maria Luísa da Conceição ocupa a antiga oficina desta na Rua Brito Capelo, deixando de fazer os bonecos na sua cozinha, como até aí tinha feito. Começa, então, de forma mais sistemática, a reproduzir os bonecos que tinha visto gerações da sua família fazerem. Em 1991, recebeu o 1º Prémio para a melhor peça de artesanato, e em Janeiro de 2007 o 1º prémio para melhor peça na Exposição de Presépios, promovida pelo Museu de Viana do Castelo.

Deste 2007 possui a Carta de Reconhecimento de Artesãos do Concelho de Estremoz.

Em Agosto de 2008, a Câmara Municipal de Estremoz homenageou-a com a Medalha Prata de Mérito Municipal.

Em 2013, Maria Luísa da Conceição, disse ao ‘E’ que a peça de que mais gosta é a Senhora dos Bons Livros: «São quarenta e cinco centímetros de altura e exige muita modelação”.

O corpo da artesã encontra-se na Capela do Anjo da Guarda, frente à estação dos CTT, em Estremoz, donde sairá o funeral, às 10 horas de amanhã, segunda-feira, dia 8,  para o cemitério de Estremoz.

Está mais pobre a barrística estremocense. À família enlutada e em especial ao seu filho Jorge da Conceição, ‘E’ endereça sentidos pêsames.